Linhas de Pesquisa

lp01

A Linha considera ambas as áreas – Comunicação e Indústria Criativa – como intrinsecamente articuladas, isto é, entende a atividade comunicacional como sendo em si mesma a indústria criativa, pois os processos/produtos gerados pelas  profissões da comunicação podem ser vistos como processos/produtos criativos oriundos de uma produção intelectual capaz de ampliar o valor simbólico, cultural, social e/ou econômico de uma instituição, de um serviço, de um lugar.

Nesse sentido, os trabalhos desenvolvidos por essa Linha consideram a comunicação – atividade já estabelecida por sua relevância social – como a indústria criativa capaz de agregar valor a um bem e/ou serviço, tornando-se ela própria o seu diferencial, a sua inovação.


lp02

A Linha se apropria da atividade comunicacional como um processo/produto que auxilia/valoriza a indústria criativa. Isso significa que a comunicação deve contribuir, via um processo/produto comunicacional, para uma indústria criativa.

Nesse sentido, a Linha localiza a indústria criativa no objeto/cliente da ação comunicacional, de modo que o processo/produto comunicacional, ainda que possa ser entendido como inovação, foca-se na divulgação/circulação/valorização de uma inovação realizada por uma indústria criativa.

O que vale para ambas as linhas

Os subtítulos das linhas: Os temas da arte, produção audiovisual e convergência de mídias, constitutivos do subtítulo da Linha 01; e os temas da educação, memória, política e economia, constitutivos do subtítulo da Linha 02, expressam prioridades de interesses. Isto é, as linhas têm, por conta do perfil de seus/suas pesquisadores(as), a tendência de se interessar por indústrias criativas ligadas a esses temas (não excluindo outros, desde que dialoguem com as especificidades da comunicação e da indústria criativa) e/ou por processos/produtos comunicacionais engajados a esses temas.

A pesquisa aplicada (PD&I): Por se tratar de uma formação profissional, para além do desenvolvimento obrigatório de uma dissertação, o discente também deve elaborar e executar, sob orientação de um docente da linha a que estiver filiado, um Projeto de Desenvolvimento & Inovação (PD&I), o qual deve se apresentar como processo/produto comunicacional.

Com base no Documento de Área de 2019 (área Comunicação e Informação da CAPES), as linhas trazem alguns exemplos de processos/produtos que podem ser desenvolvidos: aplicativos; materiais didáticos e instrucionais; programas de mídia; manuais, guias, cartilhas e tutoriais; protocolos experimentais ou de aplicação ou adequação tecnológica; projetos de inovação tecnológica; produções artísticas etc.

De modo mais específico, a Linha 01 exibe aqui processos/produtos já executados ou em execução pelos seus discentes:

  • documentário sobre a produção audiovisual na Fronteira São Borja – Brasil / Santo Tomé – Argentina;
  • eBook de orientação para o gerenciamento e manutenção de mídias sociais institucionais de uma universidade;
  • produção audiovisual seriada veiculada na web sobre São Borja a partir do conceito de cidade criativa;
  • estratégias de comunicação multiplataforma para ampliar o alcance dos museus da região de Alegrete e São Borja;
  • protótipo de série de animação infantil sobre inteligência emocional aplicada à educação;
  • projeto para captação e organização de um banco de imagens temático;
  • aplicativo de jornalismo audiovisual móvel direcionado à região noroeste do Rio Grande do Sul;
  • eBook com mapeamento profissional na área da propaganda em Santa Maria;
  • revista digital sobre São Borja;
  • aplicativo de smart turism com tecnologias de proximidade;
  • podcast jornalístico na região das missões;
  • documentário sobre agricultura familiar;
  • mostra de cinema sobre veganismo em escola.

Do mesmo modo, a Linha 02 exibe aqui processos/produtos já executados ou em execução pelos seus discentes (a primeira expressão se refere ao processo/produto e a expressão que vem depois do termo “para” se refere à indústria criativa auxiliada pelo processo/produto):

  • comunicação organizacional, com Design Thinking, para um programa de pós-graduação;
  • comunicação organizacional, com Design Thinking, para uma incubadora;
  • processo comunicacional, com Design Thinking, para uma produtora de softwares;
  • mídia social, em multiplataformas, para uma universidade;
  • guia, em livro, para o radiojornalismo no interior;
  • gamificação para as relações públicas;
  • anuário para uma feira;
  • indicadores da economia criativa, em aplicativo, para o microempreendedor individual;
  • vídeo institucional para um projeto social;
  • vídeos para relatórios de pesquisadores/cientistas;
  • mapeamento digital para cadeia produtiva carnavalesca;
  • guia de design Design Thinking para eventos;
  • aplicativo para lugares boêmios de São Borja;
  • site e mapa para lugares boêmios de Santiago.

A dissertação: Como trabalho final a ser desenvolvido pelo discente, sob orientação de um docente, as linhas recomendam, a exemplo do já mencionado Documento de Área, uma “dissertação agregada com a formulação de um produto”. Isto é, o desenvolvimento de uma dissertação é, para este Programa, obrigatório, assim como o desenvolvimento de um processo/produto comunicacional (PD&I); mas, além disso, as linhas recomendam que os dois trabalhos sejam articulados.