Ensino, Pesquisa e Extensão

  • Ensino

O corpo docente do Curso Superior de Tecnologia em Aquicultura, de acordo com a filosofia da instituição e as concepções de educação, faz a opção por um ensino que promova a pessoa, que desafie para a descoberta do novo, valorizando as conquistas já realizadas e que desenvolva, o mais integralmente possível, as potencialidades do aluno.

Para este fim, a proposta prevê:

  • A instrumentalização de espaços reais de exercício de atividades teórico-práticas;
  • A utilização de ferramentas de informática, rede e uma estrutura física para construção do conhecimento;
  • Possibilidades de acesso a atividades complementares, que favoreçam a construção da formação integral do futuro Tecnólogo.
  • Oferta de estágios supervisionado em diferentes linhas do conhecimento em aquicultura;
  • O desenvolvimento de projetos de ensino com participação acadêmica (monitoria, bolsa ou voluntariado).
  • O estimulo a organização e participação, por parte acadêmica, de eventos e atividades que possibilitem a atualização, o aperfeiçoamento e a inserção profissional na área de Aquicultura, como congressos, encontros, simpósios, seminários, jornadas científicas, semana acadêmica, Mateando com Ciência, entre outros.
  • Pesquisa

O curso de Tecnologia em Aquicultura oportuniza atividades de pesquisa, diferentemente da maioria dos cursos tecnológicos.  Neste contexto, o curso abre a possibilidade ao acadêmico da escolha entre o Estágio Supervisionado e as Atividades de Pesquisa, devendo cumprir um mínimo de 200 horas na  modalidade escolhida.

As disciplinas de Elaboração de Projetos; Prática de Pesquisa I e Prática de Pesquisa  II  visam estimular o desenvolvimento de um espírito de iniciativa, investigação e empreendedorismo. Paralelamente com as disciplinas direcionadas ao desenvolvimento da pesquisa, haverá um processo de preparação de futuros pesquisadores e candidatos à pós-graduação. Esta meta poderá ser atingida mediante ao estímulo a participação de grupos de pesquisa,  de bolsas de iniciação científica que poderão ser obtidas pelos professores do curso nas agências financiadoras de Pesquisa externas como o CNPQ e FAPERGS, além das concedidas pela própria instituição, mediante a aprovação e execução de projetos de pesquisa dos docentes.

Da mesma forma, será mantida uma ação permanente em prol de dotar de recursos físicos e materiais os setores e laboratórios envolvidos em pesquisa, mediante a busca externa e a realização de parcerias através de projetos de pesquisa que venham somar com recursos da Instituição. Neste sentido existem condições particularmente favoráveis, devido à existência prévia de projetos, atualmente ativos, em andamento na área de piscicultura no Campus de Uruguaiana; e também devido à privilegiada posição geográfica para o desenvolvimento de projetos de caráter internacional,  com Argentina e Uruguai, que também compartilham os recursos hídricos do Rio Uruguai.

Tem-se como objetivos:

  • Diagnósticos sócio-econômico-ambientais, para avaliar a demanda da comunidade para a produção de pescado,  desenvolvendo  pesquisas ligadas às diferentes áreas de atuação do Tecnólogo em Aquicultura;
  • Investigações na Bacia do rio Uruguai, tendo a premência de estudar sua biota e espécies de aproveitamento para cultivo, bem como, avaliar as condições físico-químicas e microbiológicas da água;
  • Fortalecimento e criação de novas linhas de pesquisa nas diferentes áreas da aquicultura,  no Núcleo de Pesquisa em Ictiologia, Limnologia  e Aquicultura da Bacia do Rio Uruguai (NUPILABRU ).
  • Implantação do Centro de Tecnologia em Pesca e Aquicultura (CTPA), para ampliar as condições do desenvolvimento da pesquisa e da pós -graduação.   Como agência de fomento buscar-se-á apoio da, Finep, do CNPq e da Fapergs, entre outros, além de recursos institucionais da UNIPAMPA.

Outro aspecto relevante é a possibilidade de participação e apresentação de trabalhos no salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão (SIEPE), promovido anualmente pela UNIPAMPA com parceria da  Universidad de la República Uruguay (UDELAR) e a Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS).  Haverá também incentivo a participação em eventos de natureza científica, em outras Instituições,  que permitam ao acadêmico a interação com atividades de pesquisa.

  • Extensão

O Curso Superior de Tecnologia em Aquicultura aposta na forte interação com a comunidade local, regional e no âmbito do MERCOSUL. O atendimento das demandas se dá através da realização de atividades conjuntas entre professores, técnicos  e acadêmicos.  Desta forma poderão ser criados programas e projetos de capacitação, divulgação cientifico-tecnológica, educação ambiental entre outros prestados  à comunidade. A extensão é praticada como forma de difusão de tecnologias entre a comunidade produtora e de estabelecer um processo de educação ambiental como forma de preservação e melhoria do ambiente .

Pode-se destacar a possibilidade da participação na elaboração de projetos para Prefeitura Municipal, principalmente Secretaria de Saúde e Meio Ambiente, Câmara Municipal,  Brigada Militar,  Ministério Público,  Procuradoria da República,  além de empresas da iniciativa privada, rurais e particulares que solicitam orientação nos diferentes campos de atuação do Tecnólogo em Aquicultura. Cabe destacar a possibilidade de atuação dos profissionais, junto aos CONSEMAS (Conselhos Municipais de Defesa ao Meio Ambiente), Comite de gerenciamento da bacia  do Rio Ibicui, ONGS (Organizações não governamentais), pisciculturas, raniculturas, carciniculturas e na Educação Ambiental.

Outros serviços comunitários de caráter mais geral também serão estimulados visando contribuir ao desenvolvimento integral do indivíduo. No âmbito do curso é realizado o Mateando com Ciência onde participam a comunidade acadêmica, convite aberto à população e palestrantes que discorrem sobre as diferentes áreas da aquicultura além de problemas ligados a fatores sociais, econômicos e ambientais do setor aquícola e pesqueiro.  O evento tem por objetivo a integração contínua da comunidade acadêmica entre si, e com a população da região, propiciando aprimoramento dos conhecimentos das diferentes atividades que influenciam diretamente e indiretamente na pesca e na aquicultura.

Também é realizada a Semana Acadêmica do CSTA. Esta mais abrangente possibilita a participação de outros atores científicos e da comunidade do cenário regional e nacional. Além de palestras são ofertados minicursos e apresentados os projeto de pesquisa, ensino e extensão, além dos estágios realizados pelos acadêmicos.