Realidade Regional

A região em que a UNIPAMPA está inserida já ocupou posição de destaque na economia gaúcha através da agropecuária. Ao longo da história, porém, sofreu processo gradativo de perda de posição relativa no conjunto do Estado. Em termos demográficos, registrou acentuado declínio populacional. Sua participação na produção industrial foi igualmente decrescente, perdendo espaço, também, no cenário do agronegócio nacional devido ao avanço da fronteira agrícola, a logística de distribuição e as dificuldades de agregação de valor à matéria-prima produzida regionalmente. Entretanto, vários fatores indicam potencialidades para diversificação da base econômica da região, entre os quais ganham relevância: a posição privilegiada em relação ao MERCOSUL; o desenvolvimento e ampliação do porto de Rio Grande; a abundância de solo de boa qualidade; os exemplos de excelência na produção agropecuária; as reservas minerais e a existência de instituições de ensino e pesquisa. Em termos mais específicos, destacam-se também, aqueles potenciais relativos à indústria cerâmica, cadeia integrada de carnes, vitivinicultura, extrativismo mineral, cultivo do arroz e da soja, cultivos aquícolas e consorciados, silvicultura, fruticultura, alta capacidade de armazenagem de grãos, turismo ecológico, entre outros.

O município de Uruguaiana,  está situado na microregião da campanha ocidental, limitando-se ao norte com o município de Itaqui, ao sul com a República Oriental do Uruguai, ao leste com Alegrete e Quaraí e a oeste com a República Argentina. Sua área é de 5.715.782 Km2 com uma população de 125.507  habitantes, sendo 117.461 no meio urbano e 8.046 no meio rural,  segundo dados do Censo IBGE (2010). Está distante 649 km da capital do Estado, com acessos pela BR 290 e BR 472. A etnia foi originada por grupos nômades indígenas e posteriormente os colonizadores foram espanhóis, portugueses e africanos. As correntes migratórias modernas são representadas por italianos, alemães, espanhóis, franceses e árabes.

A principal atividade econômica é agropecuária, com sua extensa lavoura de arroz e gado de corte. A aquicultura também se destaca  como uma  potencialidade na região, com mais de 30 mil hectares de água acumulada. A cidade constitui uma importante porta de entrada de turistas do Estado e aloja o maior porto-seco da América Latina . Em 165 anos de fundação, o Município figura como 4º maior em área territorial do Estado e já ocupou posição de destaque na economia gaúcha. Em termos demográficos, registrou acentuado declínio populacional e sua participação na produção industrial foi igualmente decrescente. O município possui PIB de R$ 2.446 858,84 mil (IBGE, 2008). O IDH é de 0,788, se mantendo entre os menores do  Estado.

Possui uma moderna estação aduaneira, das maiores do Brasil, próxima a ponte internacional. O trabalho aduaneiro faz com que o comércio sobre rodas do MERCOSUL passe preferencialmente por Uruguaiana. Em virtude da aproximação com a Argentina, a população de Uruguaiana apresenta vários casos de famílias de dupla nacionalidade. Além disso, entre os moradores há um intenso fluxo para a cidade vizinha de Paso de Los Libres para trabalho e comércio. O que garante ao curso a possibilidade da interinstitucionalidade com outras Universidades internacionais.

Uma área que tem se apresentado problemática no município é a da educação, onde o município apresenta índices de analfabetismo e evasão escolar maiores que os índices nacionais e estaduais, crescente magnitude da população móvel, baixa qualidade da infraestrutura dos demais setores como saneamento, condições de trabalho.

Dessa forma, a presença da Universidade no município de Uruguaiana e na região oeste representa um acentuado processo de transformação econômica e cultural, propiciado por parcerias firmadas entre essas instituições e as comunidades em que estão inseridas, com o intuito de fomentar a troca de informações e a interação científica, tecnológica e intelectual. Portanto, a  proposta da Universidade  visa o desenvolvimento regional, atuando como  o agente da definitiva incorporação da região ao mapa do desenvolvimento do Rio Grande do Sul atendendo às metas de interiorização da educação pública, preenchendo lacunas geográficas e ocupando espaços em regiões nas quais as carências impedem o acesso de populações ao ensino superior, criando condições para ampliar o atual percentual de estudantes matriculados no ensino superior público no País.

O curso superior  de Tecnologia em Aquicultura atende essas demandas  regionais ao tratar-se de um curso com ampla possibilidade de atividades de caráter eminentemente prático e aplicado, que têm a ver com a criação de organismos aquáticos  em instalações de qualidade excepcional desenvolvidas na UNIPAMPA – Campus Uruguaiana disponível de maneira integral para este curso, assim como atividades da área ambiental, e sócio-econômico-ambientais, como a pesca e a interação de agricultura e ambientes urbanos com um Sistema Hidrográfico da importância do Rio Uruguai, que passa pela cidade de Uruguaiana constituindo-se na fronteira com Argentina, o que acrescenta ainda mais motivações para estudos e pesquisas.

Outro aspecto de extrema relevância é que a UNIPAMPA faz parte do Plano Estratégico de Desenvolvimento da Aquicultura e Pesca 2007-2017 promovido pela antiga Secretaria Especial de Aquicultura e Pesca – SEAP (atualmente, Ministério da Pesca e Aquicultura – MPA) e Polo de Aquicultura e Pesca do RS, que visa contribuir para uma atividade pesqueira racional, desenvolvimento da aquicultura e uso sustentável da bacia do rio Uruguai.