Professor Alan Dutra de Melo recebe o prêmio Obirici em Porto Alegre

No último dia 29 de novembro, em Porto Alegre, no Clube Comercial foi realizada a tradicional premiação para profissionais que se destacam em suas áreas de atuação, denominada como Troféu Obirici, em sua 26ª edição, atividade que é promovida pelo jornalista Saul Júnior.

Na ocasião foi agraciado o professor  adjunto Alan Dutra de Melo, doutor Memória Social e Patrimônio Cultural e atua como professor universitário na Universidade Federal do Pampa, câmpus Jaguarão, desde 2011, e antes desse período trabalhou por  6 anos como gestor público, nas prefeituras de Pelotas e Jaguarão. É um momento especial de reconhecimento, destaca Alan, tendo em vista a passagem pelos seus 15 anos de exercício profissional, desde a sua formatura no curso de Direito da Universidade Federal de Pelotas. O professor é o atual coordenador do curso de bacharelado em Produção e Política Cultural e atua no curso de gestão de Tecnologia em Turismo.

 

 

Prof.ª Dr.ª Hilda Jaqueline Fraga participa como jurada internacional, da comissão de seleção da “Convocatória Fondos Concursables de Proyetos para la salvaguardia del Patrimônio Cultural Imaterial – 2020”

 Profa. Dra. Hilda Jaqueline de Fraga participa como jurada internacional, da comissão de seleção da “Convocatória Fondos Concursables de Proyetos para la salvaguardia del Patrimônio Cultural Imaterial – 2020, na categoria Gênero e PCI, lançada pelo Centro Regional de Savaguarda do Patrimônio Cultural Imaterial na América Latina (CRESPIAL) que é um centro de categoria 2, sob os auspícios da UNESCO. Os fundos da convocatória buscam financiar, total ou parcialmente, projetos de iniciativa social vinculados a salvaguarda do PCI na América Latina dos 15 países membros do CRESPIAL. Neste ano a convocatória também contemplou as categorias:  Imigração e PCI e Vídeo participativo e PCI. De acordo com a docente, cujas pesquisas tratam de estudos que abordam o patrimônio cultural desde a perspectiva de gênero, integrar redes internacionais de fomento voltadas para o PCI possibilitam o intercâmbio com pesquisadores de outros países sobre iniciativas inovadoras que estão ocorrendo em países latino americanos neste campo, bem como a produção científica engajada as demandas e desafios políticos deste campo no tempo presente.

 

 

 

Unipampa e UFRGS lançam curso EaD sobre o poeta gaúcho Oliveira Silveira Vida, obra e consciência negra são temas dos módulos

No dia 12 de novembro, será lançado o curso “Oliveira Silveira: o poeta da consciência negra brasileira”, a partir das 18 horas, na Sala II do Salão de Atos da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), em Porto Alegre.

Com acesso gratuito a qualquer público, bastando inscrever-se, o curso será ofertado na modalidade de educação a distância (EaD) na plataforma Lúmina. As videoaulas, os materiais de apoio e as atividades serão disponibilizadas aos alunos logados, que poderão estudar de forma auto instrutiva conforme sua disponibilidade, já que o curso não tem restrições para o término. Quem concluir o curso, realizando todas as atividades, receberá um certificado padrão da UFRGS, de 30 horas.

Em três módulos online, os estudantes irão saber mais sobre a vida, a obra e a consciência negra desse escritor afro-gaúcho. Nos extras, amigos e amigas de Oliveira deram depoimentos. Egresso da UFRGS, Oliveira Silveira (1941-2009) graduou-se professor de Português-Francês e suas respectivas literaturas, em 1967. Foi um dos idealizadores do primeiro ato evocativo ao 20 de novembro, em homenagem a Zumbi, na celebração realizada pelo Grupo Palmares em 1971, em Porto Alegre. Sua obra vem ganhando destaque nas literaturas gaúcha, sul-rio-grandense e brasileira. A professora Zila Bernd, autora do livro “Negritude e Literatura na América Latina”, destaca que “a cultura afro vai fazendo um trançado com a cultura gaúcha” na obra de Oliveira, ao valorizar “aspectos pouco conhecidos da história do negro no Rio Grande do Sul”.

O curso “Oliveira Silveira: o poeta da consciência negra brasileira” foi desenvolvido pelas professoras universitárias Sátira Machado, da Universidade Federal do Pampa (Unipampa) e Maria da Graça Gomes Paiva, professora aposentada pela UFRGS, tendo como base a plataforma Moodle.  Esse curso é ofertado no formato MOOC (Massive Open Online Course) por ser aberto, massivo e com possibilidade de auto-organização dos estudos pelos alunos e alunas, que podem acessá-lo até por smartphones.

É uma promoção da UFGRS e da Unipampa, com execução do NAPEAD – Produção Multimídia para a Educação da Secretaria de Educação a Distância (SEaD) da UFRGS e do Polo Jaguarão da Diretoria de Educação a Distância (DEaD) da Unipampa.

Foi realizado em parceria com os cursos de Produção e Política Cultural e Licenciatura em Letras-Português EaD da Unipampa; o Programa de Pós-Graduação em Letras da UFRGS; e a Associação Negra de Cultura – AndC, uma entidade criada por Oliveira Silveira.

Tem o apoio da Coordenadoria de Ações Afirmativas (CAF) e do Fórum dos Núcleos de Estudos Afro-brasileiros e Indígenas (Neabis) da Unipampa e da Pró-Reitoria de Extensão da UFRGS, por meio do Departamento de Educação e Desenvolvimento Social (Deds), do Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros, Indígenas e Africanos (Neab) e do Salão de Atos, bem como, da Coordenadoria de Acompanhamento do Programa de Ações Afirmativas (CAF) da UFRGS.

No lançamento no saguão do Salão de Atos da UFRGS, além da filha única de Oliveira Silveira -Naiara – declamar poemas do pai; apoiadores(as) como a Biblioteca Pública do RS; Estilo Afro; Pimenta Mimosa; Chocolah; Artelier-by Ieda Ferreira; Maraia’s- Boneca de Pano; Afrodite; Kynutryzzy, entre outros(as) estarão realizando exposições para divulgar as culturas negras. O lançamento será transmitido pelo site da UFRGS, sendo divulgado também pela Universidade do Texas e pela Universidade Pedagógica de Moçambique. Saiba mais no site www.oliveirasilveira.com.br.

Com informações da jornalista Sátira Machado

Fonte: https://unipampa.edu.br/portal/unipampa-e-ufrgs-lancam-curso-ead-sobre-o-poeta-gaucho-oliveira-silveira acesso em 31/10/2019

Prof. Dr. Alan Dutra de Melo participou do Seminário Internacional e Encontro das Cidades Históricas movimentam Porto Alegre (RS), em outubro

Entre os dias 23 e 25 de outubro de 2019 aconteceu o Seminário Internacional das Cidades Históricas, em Porto Alegre, evento promovido pelo IPHAN. O professor Dr. Alan Dutra de Melo participou do evento, na modalidade ouvinte, e  como professor na área do Patrimônio Cultural destacou a importância do evento como um momento de atualização, em razão do qualificado corpo de painelistas, em sua maior parte oriundos da Espanha e Portugal. Na ocasião foram lançados duas revistas do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – IPHAN com as temáticas “Dimensão Turística no Brasil e Região Sul: oportunidades e desafios para a gestão patrimonial” e “Gestão turística e Sítios patrimoniais: boas práticas internacionais”, as quais trazem  textos dos painelistas – foi disponibilizada uma edição de cada revista para o biblioteca da Unipampa.

 

 

Mais sobre a atividade:

http://portal.iphan.gov.br/srbm/noticias/detalhes/5365/seminario-internacional-e-encontro-das-cidades-historicas-movimentam-porto-alegre-rs-em-outubro acesso em 31/10/2019

Zoravia em Jaguarão: Apresentação de filme e com a presença da artista e do diretor Henrique Freitas Lima

Em promoção conjunta da produtora Cinematográfica Pampeana , Secretaria de Cultura de Jaguarão e UNIPAMPA, através do curso de Produção e Política Cultural, na segunda-feira dia 21 de outubro de 2019 na UNIPAMPA campus Jaguarão aconteceu a exibição do documentário Zoravia, de Henrique de Freitas Lima, dedicado à artista visual ZoraviaBettiol, que teve uma sessão especial com a presença do Diretor e a irreverente artista e protagonista do filme que integra a Série Grandes Mestres, que iniciou com a exibição em 2012 que teve o pintor e gravador Danubio Gonçalves (1925) como homenageado. O documentário de longa-metragem Zoravia (2018), foi filmado em Porto Alegre e São Paulo, cidades em que a artista desenvolveu suas atividades ao longo de uma vida dedicada às artes visuais e militância por causas relacionadas à cultura, meio ambiente e direitos humanos.

Após a exibição do longa, tivemos um bate-papo e um tempinho para o registro da visita da grande ZoraviaBettiol.


Texto: Discente Bruna Rodrigues Silva

Imagem: Discente Paola Fernandes Soccas

 

Zoravia, o filme, terá sessão especial na UNIPAMPA em Jaguarão

Em promoção conjunta da produtora Cinematográfica Pampeana , Secretaria de Cultura de Jaguarão e UNIPAMPA, o documentário de longa metragem Zoravia (2018), de Henrique de Freitas Lima, dedicado à artista visual Zoravia Bettiol, terá uma sessão especial com a presença  do Diretor e a Artista em 21 de outubro de 2019 as 19:30 no Auditório da UNIPAMPA com entrada franca e a presença do Diretor e da Artista. 

O filme integra a Série Grandes Mestres, que iniciou com a exibição em 2012 de Danubio, que teve o pintor e gravador Danubio Gonçalves (1925) como homenageado.

No fim dos anos 80, o diretor Henrique de Freitas Lima foi convocado pela crítica de arte e gestora cultural Evelyn Ioschpe para uma tarefa especial que recém iniciava.  O Arte na Escola , hoje o carro chefe entre os programas da Fundação de abrangência nacional e sede em São Paulo, buscava uma forma eficiente de arte educar, através do uso de vídeos sobre o fazer artístico que pudessem ser usados em sala de aula acompanhados por materiais pedagógicos produzidos por especialistas. No período que exerceu esta função, que aperfeiçoou seu olhar e o aproximou das artes visuais, o cineasta licenciou para a Fundação mais de 300 títulos, garimpados no Brasil e Exterior. Uma constatação, entretanto, ficou evidente: era insignificante a documentação dos artistas do Sul, em que pese sua importância no cenário nacional. A vontade de sanar esta lacuna ficou latente, já que a Fundação não tinha entre suas metas a produção de documentários.

Zoravia foi filmado em Porto Alegre e São Paulo , cidades em que a artista desenvolveu suas atividades ao longo de uma vida dedicada às artes visuais e militância por causas relacionadas à cultura, meio ambiente e direitos humanos.

Participam do filme muitos nomes conhecidos das artes plásticas brasileiras, como o crítico de arte  Jacob Klintowitz e a gravadora Maria Bonomi, e uma legião de gaúchos, todos vinculados a trajetória da homenageada. Desfilam na tela nomes que já nos deixaram, como a socióloga Lícia Peres e o diretor e dramaturgo Ronald Radde, e artistas em plena atividade como André Venzon, Maria Ines Rodrigues e Rosane Morais.

A face militante de Zoravia se revela pela voz dos companheiros de luta da AgapamAssociação Gaúcha de Proteção ao Meio Ambiente e o escritor Luis Fernando Veríssimo, entre outros. Imagens cedidas pelos acervos da RBS TV e TVE dão conta da longa trajetória da artista.

A família de Zoravia, especialmente a filha, a atriz e diretora Nora Prado, é responsável por alguns dos momentos mais tocantes do filme.

No dizer do diretor de cinema e Mestre em Artes Visuais Zeca Brito, nome importante da nova geração do cinema brasileiro feito no Sul, Henrique fez “um filme feminino, de grande emoção”. O diretor Henrique de Freitas Lima recebeu o comentário como um grande elogio, considerando que boa parte de sua obra é dedicada a temas vinculados ao mundo rural.

Zoravia é o sexto longa metragem de Henrique de Freitas Lima, depois de Tempo Sem Glória (1984), Lua de Outubro (1997), Concerto Campestre (2004), Danubio (2010) e Contos Gauchescos (2012) , que vem alternando na carreira a ficção com os documentários.

Serviço:

Data: 21 de outubro de 2019

Horário: 19:30 horas

Entrada Franca

Local: Auditório da UNIPAMPA em Jaguarão

Realização: Secretaria de Cultura de Jaguarão e UNIPAMPA

Ficha Técnica

 52 minutos, formato HD

 Produzido, Escrito e Dirigido por Henrique de Freitas Lima

Fotografia e Câmera: Eduardo Amorim

Pesquisa e Assistente de Direção: Luzia Rodeghiero

Montagem: Eduardo Amorim e Fabio Lobanowski

Música: Sérgio Rojas

Edição de Som: Kiko Ferraz

Finalização: Daniel Dode

Coordenação Administrativa: Carmem Curval

Divulgação:  Bebe Baumgartem

Realização da Cinematográfica Pampeana

Com apoio do SESC RS , RBS TV e TVE RS

 Projeto financiado pelo FUMPROARTE da Prefeitura de Porto Alegre

 

 

 

II Congreso Internacional de Patrimonio Cultural Intangible de CICOP Identificación, salvaguardia y puesta en valor: una apuesta a la reflexión Montevideo, Uruguay.

Durante os dias de 02 a 04 de outubro ocorreu na cidade de Montevidéu/Uruguai o II Congreso Internacional de Patrimonio Cultural Intangible de CICOP com o tema central: “Identificación, salvaguardia y puesta en valor: una apuesta a la reflexión”. O evento que reuniu vários pesquisadores da América Latina e Caribe contou com a participação da docente Profa. Hilda Jaqueline de Fraga, do Curso de Bacharelado em Produção e Política Cultural, Unipampa/Jaguarão. A professora coordenou o Simpósio Temático: Educação para o patrimônio Imaterial: reflexões e proposições no qual socializou as pesquisas que vem realizando sobre o patrimônio cultural como política desde o enfoque de gênero. Na ocasião a docente também participou de sessão de lançamento de livros com a apresentação e debate de suas mais recentes obras relacionadas ao campo patrimonial.

Fonte: Professora Hilda Jaqueline Fraga

 

 

 

 

E Viva o Drama – Crítica Drª Ana Lúcia Montano Boéssio sobre o espetáculo “A Dama da Noite” encenada pelo discente e ator Breno Santareno. A atividade encerrou a III Semana Acadêmica de Produção e Política Cultural.

E VIVA O DRAMA!                                                                                                                                20/09/2019

Ontem, tomei uma decisão radical, decidi espantar os  fantasmas que rondam meus pulmões e me entregar ao drama. Sim, fui ao teatro em Jaguarão. E como não estamos falando de qualquer cidade, mas da reconhecidamente cidade “Heroica”, obviamente não se trata aqui de uma experiência ordinária – o sítio escolhido não foi o belo Theatro Esperança, mas uma velha casa abandonada, por muitos considerada morta, e que os alunos do curso de Produção e Política Cultural da UNIPAMPA-Jaguarão tiveram a sensibilidade de resgatar da morte, dialogar com ela e ressuscitar a sua alma porque, sim, as casas tem alma (concessões de literata!).

A casa em questão faz parte dos causos da cidade, tem uma alma “noturna”; dizem que pertenceu a uma jovem noiva que não teve seu casamento consumado no dia da cerimônia
devido à morte de seu amado. A noiva-espírito, então, decidiu permanecer na casa que deveria ter sido a morada da sua felicidade – mais, não posso dizer, não quero incorrer em
inverdades. O que importa é que foi nesse clima que a Dama da Noite, monólogo de Caio Fernando Abreu, foi brilhantemente encenada em meio aos escombros, como uma alma se erguendo das cinzas. Isso tudo com a ajuda de Éolo, deus dos ventos na mitologia grega, o qual não poupou esforços por entre as não-portas e não-janelas da casa – cenário perfeito! Porém, a Dama, encarnada pelo nosso aluno/ator, Breno Santareno, não se intimidou, ela também conhece as forças por onde circula, e abrindo seu manto enrolou cada parede da casa da noiva triste e fez delas sua armadura. Altiva e sombria, afinada e dramática, envolveu seus espectadores e fez deles seus cúmplices; ela não era mais a única “fora da roda” e, com a força da sua voz, desvelou suas múltiplas faces, as dores várias e sombrias de muitos eus, tus, vocês, eles…

Há quem defina o texto de Caio F. Abreu como um texto queer; isso pode ser fácil. Difícil é ultrapassar as armadilhas de uma estética erótica, de linguagem chula, pensada para chocar, e adentrar as camadas subterrâneas do texto, lá onde o drama não se resume a um tema, onde os porões são escuros porque é lá, na sombra da noite, que habita o humano frágil, desnudado, doído, invisível. A Dama de Breno nos tocou, nos atacou, nos enredou como uma hera subindo pelas paredes de uma casa abandonada, e nos presenteou com humanidade.

Parabéns ao curso; parabéns a todos os envolvidos na montagem e organização; parabéns à UNIPAMPA; parabéns a nós, reles mortais que tivemos a coragem de afrontar os ventos e as sombras da casa ressuscitada para viver um raro momento de ARTE!

Profa Ana Boessio

Ps. Imagem divulgação atividade:

Curso de Bacharelado em Produção e Política Cultural participa de atividades em Porto Alegre

          No último dia 29 de agosto, discentes do curso de Produção e Política Cultural estiverem Porto Alegre participando de atividades na Casa de Cultura Mario Quintana (http://www.ccmq.com.br/site/). Na ocasião o grupo participou do curso: “Questões Legais para a Criação de Empresas e ONGs da Indústria Criativa”, ministrada pelo professor da PUC RS Silvio Taborda.  A atividade foi promovida através da Secretaria de Cultura do Estado do RS através do programa denominado como RS Criativo: https://cultura.rs.gov.br/o-programa. Acompanharam os discentes os docentes  Drª Sátira Pereira Machado e Dr. Alan Dutra de Melo.

        Na ocasião, o grupo também foi recebido pelo Diretor da Casa de Cultura Mario Quintana, Jessé Oliveira, quando falou sobre histórico e ações desenvolvidas e disponibilizou edições do anuário da Casa com registro das atividades desenvolvidas em 2018.

             Além disso, foram realizadas tratativas para a oferta de um curso RS Criativo, na Unipampa em Jaguarão, em data que será confirmada.

 

Desenvolvendo Competências e Habilidades para a Produção Cultural – Excel

Começaram na sexta-feira dia 30 de Agosto as aulas de excel para a Produção Cultural Quando se trata de planejamento, orçamentos e prestações de contas dentro de um projeto cultural, as planilhas eletrônicas sem dúvida é uma das ferramentas mais usadas, por serem cheias de funcionalidades que facilitam muito o uso de cálculos matemáticos, entre outras diversas possibilidades.

O Roteiro de Estudo, compilado em um curso básico, possibilitará que você tenha uma visão ampla sobre o software que integra o pacote Microsoft Office, o Excel.

Ministrada pelo professor Marcus Felipe Cunha Lage, graduado em Engenharia Mecânica pela PUC-MG (IPUC) e Pós-graduado em Gerenciamento de Projetos – PUC-MG (IEC) o curso  tem duração de 12 h. e será concluído no  próximo dia 27 de setembro.