Concepção

O presente projeto é produto do trabalho conjunto do Comissão do Curso de Enfermagem da Unipampa, que vem se inserindo no município de Uruguaiana, visando fortalecer o setor produtivo, educacional e de desenvolvimento trazendo perspectivas mais favoráveis uma vez que a importância do movimento é histórica, política e social.

1.1 Conceitos

Ser Humano:

 

É um ser histórico, político, relacional, afetivo, cultural, social, cognoscente, participativo, autônomo e ético; sujeito de direitos e deveres. É um ator social comprometido com as informações que recebe e as ações que dinamiza, sendo co-responsável pela construção do presente e do futuro, considerado um cidadão do mundo.

 

Enfermagem:

 

É uma profissão alicerçada na ciência da saúde, na integralidade e na arte do cuidado ao ser humano, pautada em princípios científicos, éticos, políticos e filosóficos. Busca a promoção da saúde, prevenção de doenças, agravos e reabilitação de forma interdisciplinar e integral, comprometida com a transformação social, com a qualidade de vida do ser humano e com a sustentabilidade do planeta.

 

Cuidado:

 

É um processo científico, humanístico, dinâmico, intencional, dialógico e inter-relacional, fundamentado no conhecimento construído. Pressupõe subjetividade, intencionalidade, sensibilidade, empatia, zelo, respeito, atenção, solidariedade, ética, compromisso, visando a preservação e/ou melhorias na saúde.

 

Educação:

 

É um processo multidimensional, dialógico, participativo e relacional, que busca (re) criar realidades e possibilidades para o desenvolvimento de competências e habilidades, visando o empoderamento, a promoção da autonomia e da cidadania, mediado pela ética das relações.

 

Integralidade:

 

A integralidade propicia aos acadêmicos a construção de uma concepção de saúde pautada pelas políticas públicas a fim de garantir reconhecimento e compromisso com a realidade de saúde do país e da região.

 

Pressupõe a capacidade de dar acolhimento e cuidado às várias dimensões e necessidades em saúde das pessoas, dos coletivos e das populações. É pensada tanto no campo da atenção, quanto no campo da gestão de serviços e sistemas de saúde. Supõe a ampliação e o desenvolvimento do conceito de saúde, da dimensão cuidadora no trabalho dos profissionais, do acolhimento, vínculo, co-responsabilização e interdisciplinaridade, através de práticas inovadoras, pensadas em rede, em diferentes cenários.

 

1.2 Contextualização da criação do Curso de Enfermagem

 

O Curso de Enfermagem da Unipampa teve sua criação em outubro de 2006, atendendo as exigências e políticas do governo estabelecidas no programa de expansão e renovação das Instituições Federais de Ensino Superior, que vem sendo promovida pelo Governo Federal e pela reivindicação da comunidade da região. Começou a funcionar em outubro de 2006 e atualmente prepara-se para o processo de reconhecimento que já foi solicitado.

 

 

Em consonância com o Projeto de Desenvolvimento Institucional (PDI) da Unipampa, o Curso de Enfermagem delineia como missão:

 

– promover a educação superior de qualidade, com vistas à formação de sujeitos comprometidos e capacitados a atuarem em prol do desenvolvimento sustentável da região e do país.

 

E como valores: justiça, interdisciplinaridade, compromisso ético, cidadania, consciência crítico-reflexiva, participação coletiva, liberdade, integração, solidariedade, sensibilidade, equanimidade e respeito à diversidade.

 

1.3 Objetivos do Curso de Enfermagem

1.3.1 Geral

 

Formar enfermeiros generalistas, qualificados para o exercício da Enfermagem, através de uma perspectiva humanística, crítica e reflexiva, pautado em princípios ético-político-filosóficos, capazes de conhecer e intervir sobre os problemas/situações de saúde-doença do ser humano (indivíduos, família e coletividade), identificando as dimensões bio-psico-sociais e seus determinantes durante todo o ciclo evolutivo. Capacitado a atuar, com senso de responsabilidade social e compromisso com a cidadania, como promotor da saúde integral do ser humano.

 

1.3.2 Específicos

 

– Oportunizar ao aluno o desenvolvimento de habilidades e competências relativas a relacionamento interpessoal, comunicação, liderança e tomada de decisão no processo de cuidado e gerenciamento de serviços de saúde e enfermagem;

 

 

– Possibilitar ao aluno condições de desenvolver habilidades e competências técnico-científicas, ético-políticas e sócio-educativas com o objetivo de prestar o cuidado de enfermagem inerente ao exercício da profissão;

 

 

– Proporcionar ao aluno, a contextualização da realidade, sócio-econômico-político-sanitária da região e país, através da associação entre teoria e prática, possibilitando uma intervenção em saúde;

 

 

– Oportunizar ao aluno o desenvolvimento de habilidades e competências necessárias a identificação de determinantes do processo saúde-doença na coletividade, colaborando na elaboração e efetivação das ações de saúde;

 

 

– Instrumentalizar o aluno para a intervenção na prevenção de danos e promoção e reabilitação da saúde dos indivíduos, famílias e comunidades;

 

 

– Desenvolver com os alunos uma práxis multiprofissional considerando os princípios e diretrizes das políticas públicas de educação e saúde;

 

 

– Incentivar o aluno para o desenvolvimento de pesquisa na área de saúde e educação, oriundos da integração ensino-pesquisa e extensão.

 

1.4 Perfil do Egresso

 

De acordo com as Diretrizes Curriculares, Artigo 3º da resolução CNE/CES Nº 3, de 7 de novembro de 2001 o enfermeiro, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva. Profissional qualificado para o exercício de Enfermagem, com base no rigor científico e intelectual e pautado em princípios éticos. Capaz de conhecer e intervir sobre os problemas/situações de saúde-doença mais prevalentes no perfil epidemiológico nacional, com ênfase na sua região de atuação, identificando as dimensões bio-psicosociais dos seus determinantes. Capacitado a atuar, com senso de responsabilidade social e compromisso com a cidadania, como promotor da saúde integral do ser humano.

 

1.4.1 Competências e Habilidades

 

A formação do profissional Enfermeiro deverá estar voltada para desenvolver as competências requeridas para sua atuação no Sistema de Saúde vigente; deve ter como competência básica, agir interativamente com os demais profissionais, e com capacidade de pensar criticamente; propor soluções viáveis e criativas para os problemas. Assim, o graduando deverá ser capaz de:

 

 

– desenvolver formação técnico-científica que lhe possibilite qualidade ao exercício profissional considerando também o respeito aos princípios éticos, legais e humanísticos da profissão;

 

 

– reconhecer e compreender as políticas de saúde no contexto das políticas sociais, a saúde como direito e parte de condições dignas de vida e atuar buscando a implementação dos princípios e diretrizes desta;

 

 

– atuar nos diferentes cenários da prática profissional, identificando as necessidades individuais e coletivas de saúde da população, seus condicionantes e determinantes, considerando os pressupostos clínicos e epidemiológicos;

 

 

– intervir no processo saúde-doença responsabilizando-se pela qualidade da assistência/cuidado de Enfermagem ao ser humano em diferentes níveis de atenção à saúde, na perspectiva da integralidade do cuidado;

 

 

– gerenciar o processo de trabalho em Enfermagem em todos os âmbitos de atuação profissional, reconhecendo-se como coordenador do trabalho da equipe de Enfermagem, integrando as ações de Enfermagem às ações multiprofissionais;

 

 

– participar como sujeito no processo de formação e qualificação contínua dos trabalhadores de Enfermagem;

 

 

– planejar e implementar programas de educação e promoção à saúde considerando a especificidade apresentada pelo indivíduo, pela família e pelos diferentes grupos sociais considerando os distintos processos de vida, saúde, trabalho e adoecimento;

 

 

– desenvolver, participar e utilizar a pesquisa e a produção de conhecimento que objetivem a qualificação da prática profissional;

 

 

– identificar as necessidades educativas da população e ser o agente de promoção da saúde, bem como o mobilizador das ações em saúde contribuindo assim para a formação da consciência sanitária, social e política da população;

 

 

– levar os alunos a aprender a aprender que engloba aprender a ser, aprender a fazer, aprender a conhecer, garantindo a capacitaçãode profissionais com autonomia e discernimento para assegurar a integralidade da atenção e a qualidade e humanização do atendimento prestado aos indivíduos, famílias e comunidades – ética, cidadania e solidariedade.

 

1.5 Áreas de atuação

 

O Enfermeiro deve ter uma formação contemporânea, contextualizada e dinâmica, pautada na indissociabilidade de ensino, pesquisa e extensão, resultando em um enfermeiro generalista, crítico apto para atuar em todas as dimensões do cuidado e nos diversos cenários da saúde como promotor da saúde do cidadão, da família e da comunidade. Desta forma, o enfermeiro no exercício de sua profissão, pode articular saber e fazer na perspectiva da transformação da realidade sanitária brasileira, com base na educação cidadã, técnica e cultural incentivando-o para a Educação Permanente.

 

Desta forma, a atuação do profissional enfermeiro compreende as seguintes áreas:

a) Educação em Enfermagem, Ensino Superior;

b) Pesquisa e Extensão;

c) Assistência: Comunidades, Rede Básica de Saúde, Rede Hospitalar e Estratégia da Saúde da Família;

d) Administração, Gestão, Auditoria, Consultoria e Assessoria;

e) Política de Saúde e de Educação;

f) Atividade Empresarial;

 

g) Atuação em Entidades e órgãos de Classe (Associação Brasileira de Enfermagem, Conselho Federal de Enfermagem, Conselho Regional de Enfermagem, Sindicato dos Enfermeiros).