Grupo de Estudos Movimento e Ambiente – GEMA

Sobre:
Nosso país é conhecido por suas proporções continentais, uma enorme variedade climática, um gigantesco patrimônio ambiental e a maior diversidade biológica do planeta. À medida que se consolidam demandas direcionadas ao resgate da enorme dívida social existente em nosso país, cresce proporcionalmente a pressão sobre a utilização dos recursos naturais disponíveis, e cabe a nós (universidade) adotar e garantir formas de ensino aprendizagem que considere a problemática ambiental. A dimensão ambiental vem sendo incorporada como fator de ensino pedagógico nas diversas instituições de ensino, além da Política Nacional de Educação Ambiental- PNEA, no ano de 2012 foram elaboradas as diretrizes curriculares nacionais específicas para Educação Ambiental, desta forma os cursos Licenciatura também vem criando dispositivos de formação neste sentido.
Talvez o GEMA (Grupo de Estudos Movimento e Ambiente), nestes quatro anos de existência, tenha conseguido o que nas ciências ambientais chama-se ambientalização de currículo e também o que em educação vem se chamando de transdisciplinaridade; pois possibilitou 426 horas de atividades voltadas ao ensino, com alguma pesquisa e eventuais atividades de extensão englobando e construindo conhecimentos nas áreas de Educação Física, Ciências, Estudos Sociais e Arte e com a participação das Licenciaturas de Educação Física e Ciências da Natureza, além (em proporção menor) dos cursos de Aquicultura, Enfermagem e Fisioterapia. Abaixo, apresentamos um quadro síntese de nossas jornadas que em junho serão apresentadas na MOSTRA GEMA QUATRO ANOS, no saguão do bloco 700 de nosso campus.

SAÍDAS DE CAMPO URUGUAIANA  EXPEDIÇÕES AMBIENTAIS
Arroio Cacaréu (4) Torres-RS – trilhas
Salso de cima (3) Três Coroas trilhas e esportes de aventura: raffting, rapel cachoeira, tirolesa
Salso de baixo (1) Rio Grande-Cassino museus e palestra ambiental NEMA
Pastoril (2) Nova Esperança do Sul trilhas e oficina de astronomia
União das Vilas (1) Cambará do Sul- trilha Itaimbezinho
Quartéis UNIPAMPA (1) Itaqui-trilha margens do Uruguai e cidade
Cantão (3) Praia Formosa (1) Paso de los Libres (2) corrida na costaneira-trilha urbana
Estância de Santiago (2) Rio Grande Cassino trilhas e oficina
QG (1) Trilha do Perau Santa Maria
Volta Ciclística (3) Pelotas participação evento – esportes de aventura: rapel paredão de pedrascalada

 

EVENTOS CURSOS OFERECIDOS
V CEBAA (Congresso Brasileiro de Atividades de Aventura – Pelotas/RS) Curso Educação Ambiental: a dimensão ecológica nos saberes acadêmicos
III Extremos do Sul – Formação Profissional em Educação Física (FURG- Rio Grande/RS) Semana de estudos: filosofia, arte, história e ambiente
IV, V, VI SIEPE (Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão) Seminário de educação ambiental: sonho, cinema e trilha
I Simpósio Sulbrasileiro de Educação Física e Saúde (UNIPAMPA-Uruguaiana

 

PUBLICAÇÕES

Trabalhos de Conclusão de Curso (dois)

– Título do TCC Possibilidades da educação física na perspectiva ambiental: um relato de caso do grupo de estudos movimento e ambiente. Autores: Edison Luis Finkler; Katia Mariele do Amaral Rolim.

Título do TCC Mapa socioambiental de Uruguaiana: os caminhos de uma cidade Autor: Newton Porfirio Moraes soares.

– Artigo no Cadernos de Formação RBCE, maio de 2012.

– Título do artigo Pedagogia das ruas: caminhar, correr e pedalar Autores: Álvaro Luís Ávila da Cunha; Vera Lúcia Gainssa Balinhas

 – Capítulos do livro Pró Docência-Núcleo Interdisciplinar de Educação

– Título do capítulo Corpo-ambiente-cultura na formação de professores/as. Autor Álvaro Luís Ávila da Cunha

– Título do capítulo A construção de conhecimentos no grupo de estudos movimento e ambiente.  Autores Kátia Rolim, Edson Finkler, Eduardo Rios, Newton Soares, Vera Balinhas, Álvaro da Cunha

Pôsteres em eventos

V CBAA, Extremos do Sul, IV- V- VI SIEPE, I Simpósio Sulbrasileiro de Educação Física e Saúde

Apresentações orais

Extremos do Sul, IV- V- VI SIEPE

 

Nosso objetivo é tornar mais visível o contexto e as comunidades escolares envolvidas nas ações educativas dos/as licenciandos/as, favorecendo o processo de formação e atuação profissional. Buscamos, através deste projeto, oportunizar o contato, o conhecimento e a reflexão acerca das formas de habitar e viver a cidade, utilizando a caminhada, a corrida e a pedalada, levando as comunidades escolares repensar suas práticas e currículos a partir da realidade local.

Algumas metas orientam nossa atuação:

– Cartografar o município de Uruguaiana e suas fronteiras a partir da experiência de andar, ver e registrar;
– Apresentara cidade como campo de estudo da cultura local;
– Compreender aEducação Física como componente curricular potencializador de processos interdisciplinares;
– Alargaro espaço pedagógico percebendo a cidade como currículo; aproximar os cursos de licenciatura da UNIPAMPA- Uruguaiana;
– Criar equipes multidisciplinares para coordenação do trabalho; construir roteiros geográfico-históricos;
– Publicar a Cartilha de Uruguaiana – os caminhos de uma cidade(mapa socioambiental);
– Elaborar material videográfico e fotográfico das saídas de campo realizadas pelos/as estudantes;
– Desenvolver o hábito de andar como prática de liberdade e bem estar;
– Problematizar o pertencimento como cultura pedagógica necessária à docência;
– Perceber as diversas realidades locais, as pluralidades de modos de vida que comporta uma localidade;
– Identificar áreas, locais, prédios capazes de contar os caminhos trilhados pela cidade;
– Desenvolver a escrita a partir dos registros sistemáticos (observações e narrativas de jornada);
– Percorrer as distâncias do município a partir do deslocamento: andar e do pedalar;
– Sensibilizar os/as estudantes aos ambientes urbanizados e menos impactados pela ação humana
– Enriquecer o universo subjetivo dos/as estudantes a partir da cidade, permitindo fazer a articulação entre o global e o local, entre a educação básica e os cursos de licenciatura, entre o corpo e o ambiente.
– Oportunizar ao/a futuro/a professor/a experiências de pesquisa das realidades educacionais em que atuará, planejando sua intervenção, ampliando o campo de estágio e do próprio trabalho de conclusão do curso.
– Construir um perfil socioambiental de comunidades escolares percebendo o ambiente escolar não somente como o prédio em que se ensina, mas como ambiente que se apreende.
– Visualizar mais atentamente os elementos culturais que sustentam uma possível identidade regional;
– Propor às escolas envolvidas repensar projetos políticos pedagógicos, planos de estudo e regimentos em função dos estudos realizados;
– Produzir pôsteres e demais trabalhos a serem apresentados e publicados em eventos e periódicos da área, além de textos e relatos distribuídos nos órgãos de imprensa e no site da universidade.