Moção de repúdio frente aos casos de Racismo, Machismo e LGBTfobia enfrentados por discentes e docentes da Unipampa

O curso de Especialização em História e Cultura Africana, Afro-brasileira e Indígena vem a publico repudiar o caso de racismo enfrentado pelo curso de História-Licenciatura, no campus Jaguarão. Acreditamos que tais atos são consequências da omissão da reitoria, em diferentes gestões, frente a ataques de racismo, machismo e LGBTfobia sofridos pela comunidade acadêmica nos campi desta instituição e que não foram devidamente tratados com a seriedade e respeito que os casos requerem. À exemplo; do caso do grupo NEAB e PIBID Educação Física, do campus de Uruguaiana e  aos assédios diários nos diversos cursos desta instituição, onde as/os agressoras/es seguem disfrutando desta impunidade.

A ausência de enfrentamento pedagógico destas questões nos preocupa em relação à associação da imagem da instituição e seu reflexo nos profissionais que atuam na Unipampa; e de outro lado nos fazem questionar o tipo de formação que o corpo discente tem recebido, de forma a reproduzir o racismo, machismo e LGBTfobia vigente na sociedade dentro da universidade. Além disso, nos leva a questionar o perfil de profissional a universidade está formando.

Consideramos preocupante que estas posturas tenham partido de discentes de cursos de licenciaturas, que conhecem a escola e toda diversidade presente em seu contexto. Entendemos que racismo é considerado crime de Lesa-humanidade e que, portanto a instituição não pode silenciar diante desta e outras formas de discriminação e preconceito.

Diante disto, solicitamos de forma imediata o posicionamento público da reitoria diante a estes casos, assim como requeremos medidas normativas que sejam efetivas para o combate e enfrentamento de toda e qualquer forma de violência de gênero, sexual, étnico e racial praticada no âmbito desta instituição.

Uruguaiana, 29 de abril de 2017.

 

Curso de Especialização em História e Cultura Africana, Afro-brasileira e Indígena