Projeto Pedagógico de Curso (PPC)

O Projeto Pedagógico de Curso (PPC) vigente, concebido pelo Núcleo Docente Estruturante, foi aprovado em Março de 2010. Clique aqui para acessar o PPC com as normas complementares em anexo.

Para garantir a qualificação do seu PPC, alinhado com o Projeto Institucional, o NDE da Engenharia de Computação (EC) tem estudado as tendências de formação adotadas por outros cursos da área de computação no país, sempre com a perspectiva de contextualização à região onde a UNIPAMPA está inserida e que pretende auxiliar no desenvolvimento. A luz desta reflexão, o PPC foi concebido e tem sido ajustado visando um forte embasamento teórico das áreas básicas dos cursos de engenharia (onde grande esforço já foi feito na compatibilização de ementas e ofertas ao longo dos últimos semestres) e em particular de computação, tanto em software quanto hardware, mesclando atividades teóricas e práticas, usando um formato e metodologias que objetivam viabilizar a redução do tempo em sala de aula (uma das orientações das DCNs) e a flexibilização das temáticas.

A redução do tempo em sala de aula, compatibilizada com a oferta noturna do curso, se materializa na adoção da carga horária mínima para cursos de bacharelado em engenharia (reforçada pelos Referenciais Nacionais dos Cursos de Graduação). Além disso, nos casos em que as componentes curriculares permitem, são adotadas atividades na modalidade semi-presencial, respeitando o limite máximo de 20% da carga horária do curso. Também colabora para esta redução a valorização dada às atividades de pesquisa e síntese nos TCC (RegulamentoTCC); às atividades de introdução no mercado de trabalho no Estágio Obrigatório como ato educativo escolar supervisionado (RegulamentoEstágio); e às ACG (RegulamentoACG).

Alinhada com a redução do tempo em sala de aula, a flexibilização nasce do compromisso com a indissociabilidade entre Ensino, Pesquisa e Extensão, prevista na LEI que instituiu a UNIPAMPA. Neste sentido, o PPC se baseia em uma metodologia em que os docentes e discentes são agentes ativos do processo de produção de conhecimento multidisciplinar, na retroalimentação da prática de ensino com o avanço no estado da arte, e na aplicação deste conhecimento em benefício da sociedade. Para tanto, o curso de EC, em diferentes disciplinas implementa o conceito de aprendizado por projetos, em vários casos multidisciplinares, do primeiro (caso de Introdução à Engenharia de Computação, que trabalha projetos intimamente ligados às disciplinas de Algoritmos e Programação e Introdução à Arquitetura de Computadores) ao último semestre do curso (caso do TCC-II).

Além disso, a normatização das ACG adotada pelo curso, nascida do Fórum das Engenharias (fórum permanente de congregação e discussão de representantes dos diferentes cursos de Engenharia oferecidos pela UNIPAMPA em diferentes campi), ao estabelecer a necessidade do discente realizar atividades em quatro grandes grupos (Ensino; Pesquisa; Extensão; Culturais e Sociais), estimula a busca dos discentes por experiências complementares às obrigatórias da grade curricular, de modo que possam desenvolver outras habilidades que se caracterizarão como diferenciais na sua vida profissional. Por exemplo, no caso de Ensino, cabe citar as disciplinas de línguas, em particular Inglês e LIBRAS. Nos casos de Pesquisa e Extensão, todas as atividades de iniciação científica, tanto em projetos de docentes da área de computação, onde a computação é o objeto de pesquisa, quanto em projetos de docentes de outras áreas, onde a computação é atividade meio. Em Culturais e Sociais, atividades realizadas dentro ou fora da universidade que ultrapassem os aspectos técnicos do curso que escolheram.

 

Outro fator importante a destacar é a participação da comunidade do curso, docentes e discentes, nos programas institucionais de apoio denominados PBP e PBDA, com significativa participação em projetos onde a computação é área fim ou meio.

 

Por fim, cabe destacar o apoio dado à qualificação do corpo docente por meio de ações de viabilização da participação de docentes mestres em programas de doutoramento, bem como à articulação de propostas de cursos de pós-graduação stricto sensu interdisciplinares.